Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estamos Sozinhos?

Este é o meu blogue onde procuro dar a conhecer histórias relacionadas com o paranormal e conspirações. Uma espécie de X-files pessoal que agora partilho com o mundo. Espero que gostem e comentem sempre que queiram.

Histórias da minha vida | No tempo em que ia às igrejas | A possessão demoníaca (parte 4)

por Morningstar, em 27.01.18

ghost-2746181_640.jpg

 As possessões demónicas são um dos pontos fortes que mais atraem as pessoas para essas igrejas, seja pela curiosidade ou por acharem que estão possuídas.

Quando se está la dentro, a lavagem cerebral começa sempre em fazer a pessoa acreditar que é vitima de algo maligno e, ou, que está a ser vítima de opressão demoníaca. Nunca se diz à pessoa que está possuída, mas, revela-se à pessoa que há demónios a agir na vida. Eu apercebi-me que quando se diz a uma pessoa que está possuída, ela tem a tendência de ir embora com medo ou achar que estão loucos.

Então como se diz à pessoa que está possuída? Não se diz! Leva-se a pessoa a acreditar. É lhe apresentado sintomas de possessão, como viver com medo, ouvir vozes e ver vultos, dores de cabeça constantes, doenças que os médicos não descobrem as causas, insónia, nervosismo, vícios, desejo de suicídio, depressão e outras coisas que podem ser usadas para o efeito.

 

Histórias da minha vida - No tempo em que eu ia às igrejas - parte 3 (Consulta Espiritual Grátis)

por Morningstar, em 25.01.18

third-eye-2886688_1280.jpg

 Hoje quer falar da melhor tática usada por essas igrejas e que para mim é a melhor forma de marketing que já vi a ser usada por elas. Esqueça as promessas de cura ou de vida melhor, que apesar de arrastar milhares de pessoas, nenhuma arrastou tanta com esta.

E isto é verdade, eu presenciei num dessas igrejas que na presença de um líder os cultos davam cerca de 200 pessoas e quando outro veio e aplicou esse esquema, subiu para mais de 400 só num dos cultos, fora as restantes que vinham durante o dia e a tarde.

Estou a falar das “Consultas Espirituais Grátis”. Sim, na igreja faziam consultas espirituais grátis. E era um esquema tão bem elaborado que mesmo os mais céticos acabam por acreditar. Como funcionava?

 

Histórias da minha vida - No tempo em que eu ia às igrejas - parte 2 (Unção com Azeite)

por Morningstar, em 20.01.18

blessing-1261935_1280.jpg

Em continuação do que estava a escrever ontem, sobre a minha passagem por várias igrejas, vou falar sobre as “unções” com óleo, ou azeite.

São usadas para quase tudo. Desde para curar doenças até consagrar os dizimistas. Falando sobre cada uma em específico.

 

 

Histórias da minha vida - No tempo em que eu ia às igrejas - parte 1

por Morningstar, em 19.01.18

people-2599550_640.jpg

Referi em alguns textos anteriores que a minha mãe nuca foi uma pessoa de religião fixa, sempre saltou de galho para galho. Isso fez com que eu ficasse a conhecer um pouco melhor cada uma delas. As religiões a que me refiro são todas aquelas que giram em torno do cristianismo e do esoterismo.

Em todas em que passamos, ouvi a falar sempre de uma situação delicada em casa, ou no trabalho, etc. Na altura que era mais novo e não pensava muito bem nas coisas, por falta de conhecimento, engolia tudo aquilo que diziam, tal como a minha mãe. Hoje, qualquer das situações que são reportadas, temos consciência que fazem parte do nosso dia-a-dia e que resolvem-se indo aos respetivos lugares de resolução e não com uma ida à igreja, ou à bruxa.

 

O Segredo dos Deuses… ou demónios da IURD

por Morningstar, em 13.12.17

o-segredo-dos-deuses-tvi.jpg

Confesso que apesar de estar profundamente revoltado com toda a situação que envolve a IURD e a adoção de crianças, não me espanta muito em ouvir estas notícias.

Não me espanta, porque, não espero muito de pessoas que enriquecem à custa dos problemas das outras pessoas, com promessas de milagres e mudanças de vidas. Basta olhar para a TV Record que transmite todas as noites os programas ridículos com testemunhos comprados e com mensageiros da luz que têm poder para derrotar as trevas na vida das pessoas.

Acredito que a influência da IURD não se limita apenas às adopções. A facilidade com que adquirem espaços e terrenos, muitos deles propriedades de autarquias e do Estado, dá a entender que poderá existir a influência sobre estes organismos, ou seja, manipulação política.

As lavagens de dinheiro que tanta tinta fazem correr nos jornais e nos tribunais, mostra o poder dessa organização. Como é que com tanta investigação e tantos processos ainda não tenha existido uma prisão dos altos dirigentes.

Porque é que eles controlam tantas pessoas de forma a conseguir se mexer na sociedade, na justiça e na economia dessa forma?

Não, não é o poder de Deus. É o poder da confissão de muitos membros que ocupam lugares estratégicos e que, dessa forma, abrem portas para que a IURD tenham condições de influenciar as coisas a seu favor.

Só não vê quem não quer ver.

Mas, porque motivo eles continuam a crescer? Porque a base de marketing da instituição deles baseia-se na História de Perseguição do Cristianismo. Eles colocam-se no papel de mártires e isso dá poder à sua mensagem destrutiva.

Eles não são escolhidos por ninguém, eles não são divinos, nem representam Deus na Terra. Eles apenas têm uma escola de marketing e vendas como nunca vi na vida. Se não tivessem, eles não estavam representados em mais países que o MacDonalds.

O que é preciso para travar esta ameaça social?

É preciso que haja mão firme na justiça, que a comunicação social exponha sem medo as ações criminosas e que as pessoas sejam alertadas para as mentiras e que abram os olhos para o engodo que estes lhes apresentam.

Ali não há Deus, apenas demónios.

As novas seitas com as ideias da Idade Média

por Morningstar, em 11.08.17

salt-lake-city-438717_1920.jpg

 

Pode parecer que ainda estamos na Idade Média, mas, a verdade é que ainda há seitas que tentam impor a sua doutrina como modelo de vida e controlar tudo o que se passa em redor de uma pessoa.

Isto vem a propósito de um artigo que li sobre duas igrejas brasileiras em que os seus lideres tomavam a liberdade de corrigir os manuais escolares dos filhos dos seus membros, riscando conteúdos ou arrancando páginas que consideravam mentiras e o oposto do que o cristão deve de saber.

Claro que não se passa só no Brasil. Nos EUA existem seitas onde as crianças aprendem dentro da comunidade e não têm qualquer tipo de contato com o mundo académico ou escolar regular.

Este tipo de extremismo tem se proliferado como um vírus e que tem destruído a vida das pessoas, muita das vezes sem elas mesmo perceberem.

Portugal ainda está longe disso vir a acontecer, mas, não está livre desse perigo. Tem passado por vários locais em Portugal onde vejo igrejas com nomes ridículos e que pregam doutrinas que, à semelhança do extremismo islâmico, levam a pessoa a viver de uma maneira opressiva. 

No entanto, como há a liberdade de religião, essas seitas, que se denominam salvadoras da humanidade, têm levado cada vez mais a sociedade a um abismo. Ou porque levam a pessoa a acreditar que todo o mal do mundo acontece por causa do diabo, ou porque a única maneira de conseguir coisas de Deus é dar dinheiro, ou porque a pessoa vive mal por ser pecadora, etc.

O problema é que estas seitas sabem trabalhar muito bem com o neuro-marketing, e transforma a mente da pessoa para focar nos cataclismos pessoais e mundiais, para influenciar a necessidade dela se entregar a uma mentira.

Sim, os nossos governantes necessitariam de tomar medidas urgentes. Mas, como este é um excelente esquema de lavagem de dinheiro, é algo que vai ficando esquecido.