Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Estamos Sozinhos?

Este é o meu blogue onde procuro dar a conhecer histórias relacionadas com o paranormal e conspirações. Uma espécie de X-files pessoal que agora partilho com o mundo. Espero que gostem e comentem sempre que queiram.

Religião, um negócio que vende mais que droga

por Morningstar, em 03.01.18

pexels-photo-257037.jpeg

Eu começo este texto com uma afirmação muito fácil de perceber: a religião é um negócio melhor do que o da droga! E faz todo o sentido esta afirmação, porque, a droga não é legal e a religião é. Para além do mais, tem inúmeros benefícios fiscais!

Repare que estamos num país em que vender droga, mesmo que seja leve e numa quantidade aparentemente insignificativa, há leis pesadas para quem vende e para quem consome. Por outro lado, a religião tem portas abertas para tudo e mais alguma coisa.

Não sei se já tiveram a oportunidade de ver a Lei da Liberdade Religiosa, mas, esta tem mais direitos que seres humanos homossexuais.

E porque é que isso acontece? Porque gera milhões e milhões de euros. A IURD em Portugal tem cerca de 30M€ declarados. Na visita do papa, havia parques de campismo a vender lugares para uma tenda de 1 pessoa a 1000€ por noite. Lucro puro.

Porque é que isso acontece? Porque é que as pessoas se vendem à ideia da religião?

Por 3 motivos: culpa, medo e ganância. Por estes motivos, a religião tem manipulado as pessoas e lucrado com isso. Como é que isto funciona na prática?

1.    Culpa

A culpa é um dos argumentos muito usados. Eles exploram a fragilidade de uma pessoa em relação a um sentimento ou uma ação, para introduzir a culpa como causa ou consequência de algo. Isso acontece quando a pessoa está passando por algum tipo de problema de saúde, em que ela pecou e como consequência está doente; ou que o marido saio de casa para ir com uma amante porque a esposa não estava a fazer as coisas bem-feitas com o marido, e vice-versa; ou porque o filho foi para as drogas porque não foram bons pais; etc.

Perante estes cenários, é fácil manipular a pessoa fragilizada com o sentimento. A partir daqui é só orientar a pessoa para aquilo que eles querem que se faça, desde a comparecer todos os dias na igreja a entregar quantias exorbitantes de dinheiro.

2.    Medo

O medo é das armas mais antigas que trás vantagem sobre as vítimas. O medo mais usado na Religião é o castigo. O melhor exemplo que todos nós conhecemos é a ida para o inferno. Quem não for à igreja e seguir o que lhes é ensinado vai para o inferno.

Falar que vai para o inferno é apenas uma parte do cenário apresentado. Há que pintar o quadro de uma forma muito pesada e que mexa com a imaginação da pessoa.

Lembro-me de algumas pessoas andarem a partilhar um clip de áudio de uns cientistas russo, salvo erro, que gravavam o som de crateras vulcânicas. O som que se ouvia era muito idêntico a milhões pessoas a gritar por socorro. Isso mexeu muito com as pessoas mais sensíveis à questão e fez com que muitas se tornassem fiéis aguerridos da causa da sua religião.

Alguns deles entregaram todos os seus pertences em troca de um lugar no céu.

3.    Ganância

Este é o velho conto do bandido que vende banha de cobra. A promessa de sucesso, riquezas ou uma aparência na sociedade, é o outro motivo que leva a tantas pessoas, sejam elas instruídas ou não, ricas ou pobres, a buscar a solução na religião.

Quem nunca sonhou em ter um carro topo de gama, ser rico, ter uma mansão, entre outras coisas?

Essa é a ideia que a religião vende. A religião vende sonhos às pessoas, quer elas tenham capacidade ou não de os concretizar. Ela não vende sonhos adaptados à realidade de cada pessoa, mas, vende sonhos ligados à luxuria, à exuberância, mostrando para elas o estilo de vida que os milionários têm, que as pessoas bem-sucedidas possuem, que o Jet 7 mostra na TV.

Então, quando a pessoa está iludida com estes falsos sonhos, dizer o que devem de fazer é mais fácil do que dar ordens a um cão treinado. A ganância toma conta do desejo e o desejo segue cego e tolo atrás das diretrizes que lhe entregam. Dar um salário para se tornar multimilionário, é um negócio que nem os chineses conseguem fazer.

Se está a pensar empreender, então a religião é um dos melhores empreendimentos e que tem crescido ao longo dos anos.

O desespero social em busca de valores e algo que faça sentido para a vida, é a porta de entrada para a religião.

Recordo as palavras de Jesus que (não desta forma) ensinou que o mais importante na vida era um relacionamento com Deus e entre as pessoas. Algo que passa sempre ao lado da religião, porque não lhes convém.

Meu amigo, não tenham medo da religião, a única capacidade de mal que ela lhe faz é aquele que você lhe permite. Não se sinta culpado de nada! Errar é humano e uma oportunidade para melhorar e tornar os laços de relações mais fortes. Não seja ganancioso! Procure ter aquilo que precisa e aquilo que gosta, mediante as suas possibilidades.

Desta forma, não precisa da religião para encontrar a felicidade e a liberdade que tanto quer.